Astrologia e Infância

Estaria o futuro ligado as associações passadas?

É possível colocar a Astrologia a serviço das crianças?

Sim! Este tema pode ser trabalhado devido a uma condição própria da condição humana: A MEMÓRIA

Recordar um fato significa trazer do passado uma experiência que pode ter nos condicionado positiva ou negativamente.

Como exemplo de uma experiência passada, podemos usar, uma criança que ajudou seus pais a plantar sementes. Certamente prepararam a terra, jogaram as sementes, regaram e cuidaram dessa planta com paciência e ao longo do tempo, foram acompanhando seu crescimento, que provavelmente chegou a dar flores e frutos.

E essa experiência passada, como outras, pode ter impactado a MEMÓRIA desta criança. Desde a concepção, até o primeiro ano de vida, através do Mapa Natal, podemos identificar de que forma as experiências emocionais impactaram, positiva ou negativamente esta criança.

Segundo a neuropediatra da Universidade de Wayne, EUA, Harry Chugani, “as primeiras experiências da vida são tão importantes que podem mudar por completo a maneira como as pessoas se desenvolvem”.

Da mesma maneira que as raízes de uma árvore são imprescindíveis para o seu bom desenvolvimento, nos humanos também existem alguns componentes astrológicos responsáveis pela criação das bases emocionais e indispensáveis para a manutenção da autoestima e para um futuro mais saudável.

Neste caso também, a interpretação astrológica permite verificar quais são os talentos, habilidades, dificuldades, medos, como essa criança interpreta a seus pais (com desconfiança ou como bons líderes?), como ela compreende o que lhe dizem, qual melhor escola a se frequentar, como ela se sente segura, se algum parente próximo pode ajudar neste acolhimento, enfim, quais os melhores caminhos para atingir as metas e objetivos de cada família, bem como quais os condicionamentos que precisam ser administrados e evoluídos para o bem comum.

A partir daí, é só usarmos as potencialidades desta criança apontadas pela interpretação astrológica com estímulos benéficos, sem exageros, no tempo certo, respeitando o ritmo de cada uma delas.

Sabemos que as necessidades emocionais diferem de pessoa a pessoa.

O Mapa Natal aponta a maneira que cada um busca esta satisfação emocional. E porque não saber quais são as necessidades emocionais reais dos nossos filhos, ao invés de egoicamente dizer que já as sabemos?